quinta-feira, 1 de agosto de 2019

CHÁ DAS QUINTAS COM REBECA EWANS - POR TATIANA HILUX

HILUX - Prazer ter de volta uma pessoa tão querida e com uma história riquíssima no transformismo cearense. Vamos começar pelas expectativas para o Top 2019, como andam as coisas por aí?

 REBECA EWANS - Pra mim é um prazer ter sido convidada mais uma vez para o Chá das Quintas com você, Tatiana e as expectativas para o Top Gay 19 estão ótimas. Espero poder levar um ótimo trabalho para o palco e que as candidatas apresentem o seu melhor. Temos muitas meninas lindas e preparadas para participar do Miss Brasil ano que vem e que a vencedora saiba carregar a sua faixa e honrar seu título.

HILUX - Você tem sido jurada de vários eventos de beleza sejam os oficiais ou não. Como é julgar a melhor da noite e quais são os percalços que uma jurada passa? 

REBECA - Pois bem, tenho uma longa trajetória como jurada de vários tipos de concurso de beleza e apurei meu olhar crítico. Cada jurado tem seu modo de julgar e eu analiso detalhadamente cada categoria com muita precisão, seja a beleza, a simpatia, a passarela, a maquiagem. Completando a segunda pergunta, sim, passamos por vários percalços na atividade de jurado. Algumas misses têm torcidas organizadas que se mobilizam no dia do evento e nem sempre o resultado do júri é o mesmo da plateia e alguns não aceitam. Ao passado eu fui alvo de uma pessoa que estava torcendo para a candidata que perdeu e ele me agrediu fisicamente e verbalmente, sendo que eu votei nela. Não entendi nada. O público tem que entender que nem sempre sua candidata vai vencer ou será que eles querem obrigar os jurados a votarem na candidata deles?


HILUX - No dia a dia você é uma exímia cabeleireira, mas me fala um pouco da sua trajetória inicial como bailarina, por favor... 

REBECA - Tatiana, a história do ballet foi assim: eu fazia parte de uma companhia de folclore da Prefeitura de Fortaleza e depois comecei a participar da companhia de Folclore da UFC, da Elzenir. Um dia a Gorete Quintela foi lá olhar nosso trabalho e perguntou quem gostaria de participar do festival dela naquele ano já que o tema era Lampião. Eu me voluntariei e fui com ela. Logo depois começaram as aulas de ballet e como eram poucos bailarinos eu fui chamado para participar e comecei a gostar. Passei mais de dez anos como bailarino e também dancei para o Hugo Bianchi quando ele me chamou.

HILUX - Você é miss que venceu concurso e também miss aclamada por donos de eventos. Como você vê esses dois formatos de evento? 

REBECA - Eu participei de 12 concursos de beleza e recentemente eu fui aclamada em um concurso. A diferença é a emoção. Quando existe a disputa a emoção vai a mil por que você tem aquele cuidado de preparar uma produção, fazer cabelo e maquiagem, tem mais cuidados... Quando você é aclamada você já sabe por antecipação e você também se prepara bem para o dia, mas não é a mesma emoção de concorrer com 15 ou 20 pessoas em média.... Há pessoas que até hoje não falam comigo desde quando eu ganhei o Miss Brasil. Antigamente fazíamos em sítios por que era proibido pela polícia. Em 1983 eu ganhei o meu primeiro Miss Brasil no clube América pelo estado da Bahia e depois ganhei em 87 concorrendo pelo CE, mas foram vários outros. Bem, tanto a aclamação e a disputa são válidas e acontecem também nos misses cis por que muitos donos de concurso não querem ter mais gastos ou não podem. Na aclamação a coroada tem que ter as qualidades que o concurso exige. Ambas as formas de se tornar miss são valorosas e a única diferença é a emoção. Eu fui aclamada como Lady Trans Universo e fiquei imensamente feliz. Você é a dona da franquia e viu como eu estava feliz. Vejo positividade nos dois formatos, até por que tem candidatas que vencem alguns concursos que não cobrem com magnitude o que é exigido para o título.

HILUX - Amizades. O que isso significa para Rebeca Ewans? 

REBECA -  Amizade é quem te leva pra frente, quem te incentiva, quem te dá conselho, quem te mostra o que tá errado. Eu vejo o amigo como aquele que é sincero tanto pra falar que você está bem quanto para dar aquela crítica. Eu guardo no coração todos os meus amigos, mesmo não mostrando meus sentimentos totalmente, isso é meu, é o meu jeito, mas quando tenho a pessoa como amiga é sincero.

HILUX - Deixa uma mensagem para nossos leitores e seus admiradores. 

REBECA - O que eu diria para meus fãs e amigos que estão lendo é para serem mais tolerantes. Hoje em dia vivemos num mundo cão onde todos se chateiam por pouca coisa, a vida é bela, mas curta... Tem gente que briga por coisas toas como a cor de um esmalte. Tenha fé em alguma coisa, a fé remove montanhas. Tenha mais amor no coração e viva a vida que a vida é bela.

Da Redação Portal Onix - Por tatiana Hilux

EM SAMPA. PARTICIPANTES DO TRANSCIDADANIA RECEBEM KITS PROFISSIONAIS DE BELEZA

Em clima de descontração, foram entregues na segunda-feira (29) kits profissionais de beleza para 20 pessoas trans que participaram de cursos realizados nos Centros de Cidadania LGBTI de São Paulo, pelo programa Transcidadania.

A cerimônia aconteceu na sede do Sebrae, no centro de São Paulo, e incluiu a entrega de um certificado de participação em oficina de empreendedorismo dado pela instituição para complementar o curso e orientar as participantes em suas atividades profissionais.

O Transcidadania tem como proposta fortalecer as atividades de colocação profissional, reintegração social e resgate da cidadania para mulheres transexuais, homens trans e travestis. Ele oferta condições de autonomia financeira, por meio da transferência de renda condicionada à execução de atividades relacionadas à conclusão da escolaridade básica, preparação para o mundo do trabalho e formação profissional e cidadã.

Paula Rocha, bolsista do Transcidadania e que já participou de outras ações do Programa, agradece: “Eu sou muito grata pelo Transcidadania, tem me ajudado muito. Esse kit significa uma melhora no desempenho da minha função, com ele vou conseguir ter minha renda extra e me organizar muito melhor na minha profissão e em projetos futuros.”

Os kits profissionais foram adquiridos graças a uma emenda aprovada na Câmara Municipal pela então vereadora e atual deputada federal Sâmia Bonfim.

A secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Berenice Giannella, destacou a importância de todos os parceiros e da emenda parlamentar que propiciou aos kits profissionais. Ele deu parabéns, desejou sucesso às pessoas trans agraciadas e elogiou a equipe da Coordenação de Políticas LGBTI todas as pessoas que trabalham e participam do Transcidadadania. “Para que as políticas públicas aconteçam basta um pequeno esforço de diferentes instituições. A gente tem que trabalhar sempre de forma suprapartidária para dar dignidade e oportunidade para a população
que mais precisa”, disse. “Tudo isso faz parte de um conjunto de ações para que elas possam ter dignidade e trabalho”, completou.

Waletine Correia Diniz foi a primeira a receber o Kit que deve proporcionar o primeiro impulso à carreira profissional das mulheres pessoas trans que concluíram os cursos. “Eu quero agradecer ao Sebrae pela oportunidade, ao programa Transcidadania, do qual sou beneficiária, e também todas as chances que as pessoas estão nos dando de reconhecimento de que todas somos capazes de ir atrás do que desejamos”.




Cada kit contem uma mala de alumínio profissional de maquiagem e os seguintes equipamentos: chapinha; máquina de cortar cabelo; Secador de cabelo; tesouras profissionais; materiais para sobrancelha; capa de nylon; escovas profissionais térmicas; kit tintura (bacia, escova, pente, ferramenta de matiz e touca para mechas); kit de maquiagem (paleta de sombras e de corretivo, lápis para sobrancelhas e para olho, máscara de cílios, paleta de blush facial, 4 tons de batom, encurvador de cílios, rímel para cílios, estojo com 12 pincéis, pó compacto em 3 cores, base líquida em 3 cores e esponjas de aplicação de maquiagem).

“Anos atrás as atividades de beleza não eram regulamentadas como atividades profissionais, então, agora que são nunca foi tão necessário conscientizar essas alunas sobre a importância de se formalizar. Trabalhar de acordo com a legislação é sinônimo de crescimento profissional e garantia de direitos”, explica Paulo Henrique de Oliveira, gestor do Programa de Beleza do escritório centro do Sebrae.

A deputada Sâmia Bonfim explicou porque apresentou a sua emenda parlamentar. “O programa Transcidadania é um dos mais bonitos que conheci, acho que ele deveria ser implantado em nível nacional ou ser replicado em outras cidades e estados, porque ele forma, dá oportunidades e capacita as pessoas trans para o mercado de trabalho. Por isso que, quando tive oportunidade de destinar a emenda, eu não pensei duas vezes porque eu conheço o programa e confio e sei o quanto ele pode transformar a vida para sempre. A população trans é muito marginalizada, não tem oportunidade de
emprego, a maioria é expulsa de casa e da escola. O transcidadania vem na contramão dessa lógica de exclusão”.

O coordenador de Políticas LGBTI, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Ricardo Dias, ressaltou a união de esforços. Citando a presença do coordenador de Políticas para a Diversidade Sexual do Governo do Estado Marcelo Galego, ele disse: “Na Secretaria, eu tenho presenciado a secretária e do prefeito Bruno Covas têm se empenhado para a gente conseguir tudo pelo que temos lutado”.

Dias anunciou que a coordenação tem se empenhado para conseguir as emendas parlamentares necessárias para desenvolve uma programação da pasta que inclui um futuro curso de gastronomia, o projeto Diversidade nas Praças, para levar cultura e diversidade a todas as regiões da cidade, a retificação de nomes sociais com prioridade para participantes do Transcidadania com gratuidade de custas cartorárias e o casamento igualitário que deve ser promovido com o Governo do Estado para aumentar o número de casais. Em dezembro deste ano, a intenção é ampliar a Caminhada da AIDS que faz parte do calendário de eventos da cidade.

Histórico do Programa Transcidadania

O Programa Transcidadania foi iniciado como POT – Programa Operação Trabalho LGBT em 2008. Mulheres transexuais e homens trans assistidos recebem atualmente R$ 1001,70 de auxílio mensal durante a participação das atividades nos quatro Centros de Cidadania LGBTI, vinculados à Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

Outro objetivo do Transcidadania é o aperfeiçoamento institucional, no que tange à preparação de serviços e equipamentos públicos para atendimento qualificado e humanizado. Cada beneficiária (o) recebe acompanhamento psicológico, jurídico, social e pedagógico durante os dois anos de permanência no programa.

O projeto é realizado por uma parceria entre a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (SMDET).


Inscrição

Os interessados em participar do programa devem ir a um Centro de Cidadania LGBTI para se inscrever, com comprovante de residência, CPF, RG e Carteira de Trabalho e Previdência Social em mãos.

Além disso, os participantes devem ter mais de 18 anos; residir na cidade de São Paulo; estar desempregado há mais de quatro meses e não receber outros benefícios (seg. desemprego, FGTS, etc.) ou não ter acumulado, nos últimos 18 (dezoito) meses, mais de 3 (três) meses de registro, consecutivos ou não, na referida carteira profissional e ter renda familiar de até meio salário mínimo por pessoa da família.