segunda-feira, 3 de junho de 2019

MOVIMENTO SOCIAL LGBT DE CAMOCIM DENUNCIA A FALTA DE POLITICAS PARA LGBTI+ POR PARTE DA PREFEITURA


O Movimento Social LGBT de Camocim, cobra a falta de políticas públicas para essa população na cidade e denuncia que a sala da Coordenadoria virou um abrigo para pessoas vivendo em situação de rua. Confira anota na íntegra:


O Movimento Social LGBT externa a preocupação e cobra da Gestão Municipal e da Senhora Prefeita Mônica Aguiar, o retorno do funcionamento da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para LGBT de Camocim e a nomeação do novo "Titular" dessa pasta.

Há 200 dias do Governo da Prefeita Mônica Aguiar, a população LGBT de Camocim vem sofrendo um verdadeiro retrocesso com o não funcionamento da Coordenadoria.
Será por falta de dinheiro, boa vontade, ou por preconceito da Gestão Municipal?

A população LGBT de Camocim não disponibiliza de nenhum tipo de atendimento ou a quem recorrer, não sabemos a quem procurar para um acompanhamento, e sem o cumprimento efetivo do papel desse organismo municipal, as demandas encontram-se paradas.

Perguntamos cadê a parte da frase-slogan da Gestão Municipal que é “Cuidar de Todos”, será que as  LGBT não fazem parte da população de Camocim?

Cadê os outros representantes municipais (vereadores) que não contribuem para fiscalizar a atual gestão, para garantir que os direitos e as políticas públicas acontençam de forma geral atendendo todos os camocinense.

Nós População LGBT só servimos pra enfeitar as carreatas no período eleitoral?
Nós População LGBT só servimos de palhaços, escudo, ou para pedir votos?

Desde dezembro de 2018, nenhum novo títular foi nomeado para dar continuidade aos trabalhos já desempenhados na busca de assegurar, conquistar e avançar nos direitos para população LGBT.
Atualmente a nossa população não é mais uma simples minória, necessitamos de cuidados, carinho, atenção e um olhar de muita sensibilidade, muitos de nós continuam sendo vítimas de violências e crimes todos os dias.

Externamos nossa preocupação com os rumos da Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para LGBT de Camocim, pelo fato desse órgão não está funcionando desde o início da dessa gestão.
A intenção dos movimentos sociais é de pressionar, para que o governo municipal nomeie urgentemente um profissional para ser o titular dessa pasta e o retorno dos trabalhos deste órgão.
Ressaltando que, a estrutura organizacional da coordenadoria já era bem fragilizada, pois contava somente com cerca de 3 funcionários para cobrir uma demanda do município, o que não tinha viabilidade nenhuma. Por não ter autonomia.

Neste difícil momento para a população LGBT de Camocim, exortamos que, todas as instâncias partidárias, coletivos, associações LGBT, ativistas e militantes, pressionem para não deixar que o retrocesso atinja ainda mais a nossa população.

A Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para LGBT de Camocim estar localizada em um prédio público, situado na Rua Riachuelo, S/N, bairro Centro, que diariamente conta com um fluxo constante de usuários, pois o prédio é uma extensão da Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania de Camocim, que agora na atualidade piorando a situação do espaço da Sede da Coordenadoria, a sala foi ocupada por uma pessoa que vive em situação de rua (conforme fotos em anexo), que ocupa todo o espaço, utilizando como moradia, tendo seus obejtos e utensilios pessoais  espalhados por toda a sala, ocasionando um verdadeiro transtorno, com o acumulo de objetos, lixo, e entre outras coisas.

Fica aqui registrado o sentimento de profunda tristeza da População LGBT em perceber que a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para LGBT de Camocim (Sala), virou um abrigo para pessoas vivendo em situação de rua, salientando que esse espeço físico não é apropriado para tal situação.
Assinam a nota: Thiago Costa, Ray Fontenelle e Joel de Sousa.