O PORTAL LGBTI+ DO CEARÁ

O PORTAL LGBTI+ DO CEARÁ

segunda-feira, 1 de abril de 2019

VIVA! FORTALEZA GANHA MAIS UMA CASA LGBTQ+

Na última sexta-feira (29), o empresário Celmo Ararújo proprietário da boate Level, inaugurou seu novo empreendimento voltado ao público LGBTQ+, o Club Viva.
A boate fica ao lado da Level e se propõe a receber um público que curte Pop e House.
Nos chamou a atenção o ambiente aconchegante e a decoração rustica e ao mesmo tempo com um toque futurista.
São três ambientes contando com a passarela que fica na Arena Level e serve de fumodromo. Confira alguns cliques:









PABLLO VITTAR SERÁ ATRAÇÃO NO MISS BRASIL GAY OFICIAL


Dia 17 de agosto acontece a 39ª edição do maior evento LGBT do país, o Miss Brasil Gay Oficial que acontece no Terrazzo em Juiz de Fora.
Além das candidatas vindas de todo o Brasil que estará abrilhantando a festa é ninguem menos que a rainha Pabllo Vittar.
O lançamento da edição 2019, aconteceu na tarde desta segunda-feira em Minas Gerais. Em breve a direção do MBG oficial vai divulgar as outras atrações.

Nossa Miss Brasil Gay Yakira Queiroz se encontra em Juiz de Fora cumprindo agenda oficial.

AMOR DE MÃE - MULHER DE 61 ANOS DÁ À LUZ BEBÊ DE SEU FILHO GAY NOS EUA


Cecile Eledge, de 61 anos, tornou-se mãe e avó ao mesmo tempo ao dar à luz a pequena Uma, que gestou para ajudar seu filho Matthew e o marido dele, Elliot, a realizarem o sonho de ser pais. O caso dessa família de Nebraska (Estados Unidos) aprofunda os dilemas éticos das chamadas barrigas de aluguel ou gestação sub-rogada, aos quais se soma, neste caso, a idade da gestante. O bebê é fruto de um óvulo doado pela irmã de Elliot, que foi inseminado com o esperma de Matthew, e nasceu na última segunda-feira.

“Se quiserem que eu seja a gestante, farei isso na hora”, ofereceu Cecile há dois anos, quando um de seus três filhos, Matthew, confiou-lhe seus planos de formar uma família, segundo eles mesmos contam no site Buzzfeed.news. Fazia anos que Matthew Eledge, 32, e Elliot Dougherty, 29, economizavam para o processo. Eles estimam ter desembolsado 40.000 dólares (cerca de 160.000 reais) só na fertilização in vitro, além dos gastos médicos com gravidez e o parto.


O que Matthew e Elliot consideraram no início como uma brincadeira se tornou realidade quando se reuniram com especialistas em reprodução assistida para discutir as opções que tinham. Matthew mencionou a oferta de sua mãe. E a médica, Carolyn Maud Doherty, levou a sério. Apesar de já estar na menopausa, Cecile sempre havia sido, nas palavras do filho, fanática em relação à saúde. A equipe do Hospital Metodista para Mulheres de Omaha, cidade onde mora o casal, fez uma série de exames – biologia celular, hemograma, colesterol, estresse, mamografia, ultrassom – e concluiu que Cecile estava saudável o suficiente para ter uma nova gravidez.

Os médicos alertaram sobre os riscos associados à idade, incluindo problemas pulmonares, coágulos de sangue e uma maior probabilidade de que o parto fosse por cesariana. Mas Cecile engravidou na primeira tentativa de transferência de embrião e teve uma gestação normal, embora com mais náuseas do que lembra ter tido nas vezes anteriores. O parto foi normal.

O casal decidiu tornar pública a história para mostrar que uma família como a sua pode crescer inclusive nos rincões mais conservadores dos EUA. Nebraska não possui leis estatais proibindo a discriminação baseada em orientação sexual ou identidade de gênero. De fato, em 2015 Matthew foi demitido do cargo de professor de inglês, num instituto privado católico de Omaha, quando informou que pretendia se casar com outro homem.

Embora pouco habitual, o caso de Cecile Eledge não é o primeiro em que uma mulher dá à luz o próprio neto. Nem sequer é o que envolve mais idade. Em 1987, Pat Anthony, 48, teve trigêmeos de sua filha na África do Sul. Em 1996, Edith Jones, 51, transformou-se na primeira avó de aluguel do Reino Unido, ao ajudar a filha e o genro a serem pais. Em 2016, a grega Anastassia Ontou se tornou, aos 67, a mulher mais velha a gestar para outra pessoa – no caso, sua filha.

Esses exemplos altruístas se contrapõem aos casos mais frequentes, em que os casais que não podem ter filho recorrem a mulheres para gestar um bebê em troca de dinheiro. Como na Espanha a prática é ilegal, centenas de casais recorrem todo ano, através de empresas intermediárias, a outros países com leis mais permissivas para viabilizar o processo. O partido que mais defende a gestação sub-rogada na Espanha é o Cidadãos. Os outros não concordam com a prática.

Fonte: El País